Zoo Burguer Zoo Burguer Zoo Burguer
Subir

Saguim-cabeça-de-algodão

Este pequeno primata, caracterizado pela sua elegante e farta cabeleira branca, que lhe dá o nome, encontra-se criticamente ameaçado de extinção, causado pela destruição do seu habitat natural.

A característica mais distintiva desta espécie é a existência de uma juba de pêlos longos, brancos, desde a testa até à nuca. A face é preta, apresentando, no entanto, pêlos curtos de tom prateado nas têmporas e zonas laterais. O dorso é castanho ou preto e a zona inferior das patas anteriores e posteriores é branca. A zona traseira do seu corpo e as coxas apresentam um tom laranja-avermelhado, assim como a base da sua longa cauda, enquanto a extremidade é preta. Não existe dimorfismo sexual.
Possuem garras em todos os dedos, excepto nos polegares, permitindo-lhes agarrarem-se às árvores.

O saguim-cabeça-de-algodão vive em grupos de dois a doze indivíduos. É um animal arbóreo e diurno, explorando os estratos médios-inferiores da floresta. Os locais de repouso situam-se na zona superior da canópia, em bifurcações de ramos. A rotina diária típica desta espécie envolve um padrão alternativo de explorar o território, repousar, e viajar. Quando o grupo se encontra a repousar durante o dia, um dos membros permanece vigilante, alertando o grupo por vocalizações, se detectar perigo.
Esta espécie é territorial, utilizando as glândulas odoríferas do peito e região genital, em conjunto com a urina, para definir o seu território, comunicar o seu estatuto social e indicar a receptividade sexual. Usam igualmente uma grande diversidade de vocalizações para comunicar. Quando entram em contacto com outros grupos, em vez de ocorrer contacto físico, estes ameaçam-nos erguendo-se nas patas posteriores, numa atitude de dominância, mostrando a sua zona traseira e área genital, eriçando o seu pêlo e juba e emitindo vocalizações de intensidade elevada, como meio de intimidação.

Durante grande parte do seu dia, são encontrados a passar as suas unhas semelhantes a garras pelo pêlo uns dos outros, examinando-o, e utilizam os seus dentes, lábios e língua para removerem partículas. Este comportamento denomina-se "grooming".

Para além de insectos, alimentam-se igualmente de fruta, flores, folhas, rebentos e pequenos vertebrados tais como rãs, lagartos, ovos e crias de aves. Alimentam-se de exsudados das árvores, como seiva e sobretudo gomas.

Reprodução: A espécie Saguinus oedipus apresenta um sistema de reprodução cooperativa. Todos os elementos participam nos cuidados com as crias, desde os progenitores, outras fêmeas, até aos juvenis de gerações anteriores. A partilha de alimento é um acto comum, especialmente nos progenitores, que partilham com as suas crias, mas também nos filhos mais velhos, que partilham com os mais novos. A maioria dos grupos aparenta ser monogâmica, com apenas uma fêmea e um macho como reprodutores activos. As restantes fêmeas do grupo são inibidas pela fêmea dominante, através do seu comportamento e de feromonas. No entanto, a presença de machos não aparentados no grupo, pode levar a que a fêmea dominante permita que uma das suas filhas se reproduza.
Assim como os restantes calitricídeos, os saguins-cabeça-de-algodão exibem padrões de nascimento sazonais, nos quais o pico da época dura dois a três meses, entre Abril e Junho. A época de nascimentos encontra-se ligada ao período de maior abundância de frutos. Nascem, normalmente, dois gémeos não-idênticos, após uma gestação de 140 a 145 dias. A fêmea transporta as crias durante as primeiras duas semanas e depois é o macho quem mais se ocupa desta tarefa, embora exista cooperação de todos os membros do grupo na criação dos juvenis. As crias tornam-se independentes com apenas dois meses de idade. A fêmea torna-se sexualmente activa com cerca de 18 meses, enquanto o macho demora, em média, 24 meses. 

Nome

Saguim-cabeça-de-algodão

Saguinus oedipus

Classe

Mamíferos

Conservação

O Saguim-cabeça-de-algodão é considerado uma espécie Criticamente Ameaçada pela IUCN. Pertence ao Anexo I da CITES.

EEP
Distribuição

Esta espécie é endémica do Noroeste da Colômbia. Habita em florestas tropicais húmidas primárias e secundárias, preferencialmente nos seus limites, e utilizam maioritariamente as zonas mais baixas da canópia.

Comprimento

Comprimento: Corpo: 20 - 25 cm Cauda: 33 a 40 cm
Altura pelos ombros: 23.2 cm

Idade

Esta espécie apresenta uma esperança média de vida de cerca de 13.5 anos.

Sabia que pode apadrinhar este animal?

Patronize Animal
Quero ajudar esta espécie

Outros mamíferos

Ver Mais

Outros animais

Ver Mais